O poder da Hotelaria de Luxo e as oportunidades para as marcas de bens pessoais

FONTE: Dr. Suzzane Godfrey, Glion Institute of Higher Education. Blog.Glion.Edu

Considerando a indústria de luxo atual, a entrega de experiências está crescendo, muito impulsionada pelo segmento de hotelaria. As “experiências de luxo”, conforme definição da Bain&Company, representaram mais de 29% do mercado de luxo global e cresceram 5% mais rápido do que o segmento de bens de luxo pessoais. As experiências incluem hotéis de luxo, cruzeiros e restaurantes, assim como vinhos finos, bebidas sofisticadas e alimentos.

As redes hoteleiras de luxo estão preparadas para oferecer as experiências que os clientes desejam. Mas não são apenas as marcas deste segmento que estão concentradas na criação de vivências – marcas de bens de luxo pessoais também estão explorando as experiências para engajar clientes, criar notícias e fidelizar.

Marcas de luxo pessoais expandem em busca de experiências no segmento hoteleiro:

Bvulgari, Armani e Gucci são marcas de luxo pessoais que não tinham serviços no segmento hoteleiro, porém expandiram sua operação para hotéis, cafés, restaurantes e spas. O Grupo LVMH lançou a “Maison Cheval Blanc”, um conjunto de casas descritas como paraísos refinados e exclusivos. São propriedades limitadas que oferecem tudo de mais sofisticado na arte de receber, e afirmam ser um conceito totalmente novo de hotelaria de luxo. O Grupo LVMH agora também administra o crescente portfólio de propriedades de luxo e atividades hoteleiras.

Uma parceria entre marcas também possibilita a criação de experiências no segmento hoteleiro. Como exemplo, a grife Graff Diamonds fez uma parceria de sucesso com a rede hoteleira de luxo Ritz-Carlton Hong Kong, onde criaram uma experiência de luxo única, cheia de diamantes, pedras preciosas e deliciosos brindes a tarde. A programação contava com chá da tarde temático, realizado no MO Bar do Landmark Mandarin Oriental Hong Kong, incluindo marcas como Jimmy Choo e Malone.

As marcas de bens pessoais reconheceram a oportunidade que a rede hoteleira de luxo encontrou ao criar experiências únicas para seus hóspedes. Através da hospitalidade, as marcas podem oferecer uma série de experiências multissensoriais, mais marcantes do que a simples compra de um relógio, bolsa, cachecol ou par de sapatos. Através de experiências emocionalmente envolventes, as marcas podem tornar-se ainda mais integradas no estilo de vida de seus clientes.

Criando notícias com experiências exclusivas:

Eventos exclusivos são outra forma das marcas criarem experiências de luxo. Os eventos restritos possibilitam que as marcas criem relações estreitas com seus clientes, formando uma base de consumidores fiéis. Esses eventos variam entre abertura de lojas, exposições, noites de gala e eventos em restaurantes elegantes. 

Para o consumidor, receber um convite exclusivo tende a fazê-lo sentir-se especial e valorizado. Também o distancia dos demais clientes em virtude da sua exclusividade, adicionando atributos à marca. Compartilhar a participação em tais eventos através das mídias sociais e do boca-a-boca, ajuda a criar uma imagem inspiradora da marca. No mercado de luxo, o termo “marketing de sonhos” - criado por L. Longinotti-Buitoni, presidente e CEO da Ferrari – é indispensável. A experiência criada pela marca deve refletir o sonho que ela deseja vender. “O consumidor adquire produtos ou serviços de luxo para satisfazer seus sonhos, e com isso se sente um herói... Uma marca está vendendo um sentimento, não um produto.”, afirmou o presidente da Ferrari.

Explorando os cinco sentidos através de experiências luxuosas com alimentos e vinhos:

Outra forma na qual a experiência de luxo multissensorial está sendo explorada é através de alimentos e vinhos. Esta união entre marcas de bens pessoais e redes hoteleiras de luxo criam situações para despertar os cinco sentidos dos clientes e tornar o momento inesquecível. Como exemplo, a champanhe Dom Pérignon mantém uma estrita relação com o Chef Ferran Adrià e a Fundação El Bulli. Em 2011 eles organizaram um jantar no famoso Restaurante El Bulli, do Chef Ferran, pouco antes de encerrar as atividades. O evento foi intitulado “a última ceia de champanhe.”

Outros exemplos citam a abertura da loja Hermès, em Washington, onde foi celebrado um jantar muito exclusivo para os melhores clientes. Além de oferecer um menu inesquecível, os garçons fizeram performances teatrais na apresentação de cada prato, mudando os trajes a cada tempo, sempre servindo de uma forma organizada e sincronizada. A experiência proporcionou uma noite única e memorável para os convidados especiais.

Explorar a hotelaria para criar experiências de luxo envolventes:

Independentemente do seu meio de atuação, as marcas reconhecem a importância da hotelaria no contexto de luxo. Hotéis e restaurantes estão bem estruturados para oferecer experiências surpreendentes, que vão além das expectativas e têm um elemento surpresa.

Entregar experiências positivas através da qualidade do serviço, excelência e engajamento emocional deve ser o objetivo da hotelaria de luxo. Pode ser algo grandioso ou específico para um hóspede individual, com base na sua expectativa, cultura e antecedentes. Deve ser uma experiência superior, desde que esteja de acordo com o conceito da marca, seus valores e cultura. Para concluir, a hotelaria, sob qualquer forma, oferece uma excelente oportunidade para marcas de bens pessoais criarem momentos memoráveis e envolverem regularmente seus clientes.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Curtir
Please reload

Destaques

Pós-venda: o retorno do cliente pode ser uma oportunidade de ouro.

01.06.2017

1/1
Please reload

Recentes