• Contato Instituto do Luxo

Sustentabilidade no Mercado de Luxo.


O consumidor está se interessando cada vez mais em adquirir produtos de forma consciente e responsável, desta forma, sustentabilidade continua sendo um tema em alta e muito discutido. Uma pesquisa realizada por uma consultoria de marketing, a Good Must Grow, em 2020 indica um avanço de 15% no interesse do consumo consciente, sendo assim, o setor de moda se tornou o mais afetado com esse novo comportamento dos consumidores e também o principal causador da emissão de carbono do planeta, segundo uma matéria da revista Exame em 2021.


E para as marcas do Mercado de Luxo não é diferente. Grandes marcas optaram por trabalhar com um material mais sustentável e outras por substituir algumas peças que utilizam a pele animal. A primeira marca americana a tomar essa iniciativa foi a Nordstrom, empresa varejista, em 2020. Seguida logo após pela Saks Fifth Avenue, que está neste processo desde 2021 e tem o prazo de até o final deste ano para suspender a venda das coleções que utilizam peles de animais.


A Valentino também é uma das marcas que já aderiu a esse reposicionamento e acredita que uma postura livre de peles está totalmente alinhada com os valores da empresa. As últimas coleções que utilizaram a pele animal são as coleções de outono e inverno de 2021/2022. Já a Oscar de la Renta parou com a produção e venda em outubro de 2021.


Outras marcas como Hermès, Gucci, Alexander McQueen, Stella McCartney e Chloé, que inclusive foi a primeira marca de Luxo a receber a Certificação B-Corp (reconhecimento socioambiental dado a empresa privada), começaram a aderir matéria-prima reciclável em algumas de suas peças.


Utilizar materiais sustentáveis ainda é um grande desafio para o segmento de luxo, já que a qualidade e exclusividade da matéria-prima é um dos atributos, porém, as marcas já estão começando a se planejar para contribuir e atender esse novo modelo de consumo. A LVMH, por exemplo, lançou uma plataforma onde revendia os materiais mortos, ou seja, o que sobra das suas coleções, e muitas outras marcas começaram a criar coleções com as sobras de material para evitar o desperdício.


Ainda é um processo longo, mas o mercado já está consciente de que esse é o novo estilo de consumo e estão começando a tomar ações para termos um mundo mais sustentável.