• Instituto do Luxo

As vendas online representarão 19% do total das vendas de luxo em 2025


Fonte: Cpp-luxury.com

Um novo relatório da agência de pesquisa McKinsey intitulado “A era do Darwinismo digital” destaca o crescimento das necessidades das marcas de luxo no quesito competências digitais, em consequência do fato de que a geração Baby Boomers gasta grande parte do tempo nas redes e em smartphones. Enquanto as tendências dos últimos anos eram sobre experiências de luxo em cenários digitais, a McKinsey apontou expectativas envolvendo impactos digitais dentro do ambiente físico.

As vendas online de produtos de luxo estão crescendo rapidamente. Atualmente a venda online de bens pessoais de luxo estão atingindo 20 bilhões de dólares, representando 8% do total de vendas da categoria luxo. Em 2025, McKinsey acredita que este valor irá triplicar para 74 bilhões de dólares, com uma estimativa de que uma em cada cinco vendas de luxo seja no ambiente online.

Embora seja um hábito das gerações mais novas, os Baby Boomers também demonstram um alto uso de mídia social e tempo de navegação: 75% dessa geração está nas redes sociais e passam 17,5 horas na internet – enquanto os Millennials passam 16,4 horas. E eles ainda consultam diversos pontos de contato antes de efetuar uma compra.

No cenário digital atual, os consumidores estão desempenhando papéis mais ativos, seja compartilhando conteúdo sobre marcas em mídias sociais ou participando como vendedor de produtos através da sua experiência.

cKinsey observa que, em um ecossistema cada vez mais digital, aqueles que estão preparados para o sucesso estão adotando práticas que compõem um modelo operacional de “Luxo versão 4.0”, onde os dados dos clientes são integrados com mecanismos de produção e design de produtos.

Enquanto o conceito de luxo ainda é muito centrado na tradição e processos artesanais, 60% dos gerentes de luxo acreditam que sua marca irá vender produtos impressos 3D já na próxima década. À medida que a personalização se torna uma regra, os varejistas precisam se concentrar em oferecer uma experiência personalizada e individual aos consumidores, usando os dados obtidos nas interações anteriores com a marca.

A era digital está mudando a expectativa dos consumidores, uma vez que eles também esperam ser entretidos e engajados nas lojas físicas. "Omnichannel reversa”, significa que ao invés do ambiente digital superar o ambiente físico, a nova tendência pede que o ambiente físico supere o digital.As marcas de luxo também estão enfrentando concorrência fora da indústria convencional. A Amazon está mudando o comportamento do cliente, transformando os consumidores em grandes compradores por categoria. Grande parte dos consumidores iniciam a pesquisa sobre os produtos através do portal, representando 55% do mercado consumidor.O desejo de sustentabilidade está influenciando a criação de novos modelos de consumo, como aluguéis e compra de seminovos. Em um recente seminário online da Euromonitor, intitulado “O novo consumidorismo: impacto nas indústrias da beleza e da moda”, dois analistas apontaram que as marcas nessas categorias precisam entregar experiências e produtos de acordo com o que os consumidores estão dispostos a pagar para permanecerem competitivas.

#mercadodeluxo #digital #tendências

INSTITUTO DO LUXO © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. SÃO PAULO | BRASIL.

ATENDE TERRITÓRIO NACIONAL E INTERNACIONAL.