• Malu Albertotti

Aviação de Luxo nos anos 70


Semelhantes a espaços sociais de hotéis de luxo, onde os passageiros podiam degustar de comidas e bebidas finas, e recebiam atendimento exclusivo dos comissários de bordo, os lounges que existiam dentro dos aviões nos anos 70 eram confortáveis e sofisticados com sofás e áreas de distração.


A companhia francesa Air France tinha o Boeing 707-320 com lounges que remetiam a uma sala residencial com cortinas, sofás e adornos de plantas. Já a Avianca trazia sofás circulares em vermelho, com decoração que remetia a uma balada proporcionando uma maior interação durante os voos. A australiana Qantas também oferecia lounge com decoração semelhante em seus aviões 747. Em algumas viagens, essas companhias chegaram até a apresentar música ao vivo para seus passageiros da primeira classe. Drinks e champanhes eram constantemente servidos enquanto os poderosos passageiros ostentavam seus cigarros e charutos caros (sim, na época ainda era permitido fumar em ambientes fechados!). Até mesmo o uniforme da tripulação era assinado por estilistas renomados da época.


A experiencia não se condicionava apenas no entretenimento oferecido, mas também na hora de descansar: alguns aviões ofereciam camas com edredons e travesseiros impecáveis, bastava solicitar para um dos comissários de bordo.


Todas essas mordomias eram reservadas aos passageiros da primeira classe, mas mesmo na classe econômica havia um conforto maior se comparado aos dias de hoje: o espaço entre os assentos era maior e o serviço de bordo era de primeira linha. Seja na primeira classe ou na econômica, viajar de avião era um verdadeiro evento e os passageiros se vestiam da melhor forma possível, como se estivessem indo para uma festa de gala.


O historiador corporativo sênior da Boeing, Michael Lombardi, relembra que na época de ouro da aviação, a experiencia de voar era tão interessante e esperada quanto o destino final da viagem, porem também era mais caro do que hoje em dia e nem todos podiam arcar com os custos, mesmo em classe econômica. Ainda segundo Lombardi, os tempos e o comportamento do consumidor mudaram e agora os passageiros só conseguem enxergar a aviação como um meio de chegar ate o destino desejado, não mais como uma experiencia e entretenimento. Isso vem desde o início dos anos 80, após surgimento de novas companhias aéreas com serviços menos requintados e mais baratos, por um lado isso serviu para que mais pessoas tivessem a oportunidade de viajar, possibilitando a democratização das viagens aéreas com um fluxo maior de passageiros.



Fontes: UOL; Jornal GGN; blog Ao Sabor do Vento.


INSTITUTO DO LUXO © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. SÃO PAULO | BRASIL.

ATENDE TERRITÓRIO NACIONAL E INTERNACIONAL.